sexta-feira, 20 de março de 2015

Adustina:Eclipse, equinócio e superlua devem acontecer esta sexta-feira.

Foto:Divulgação/Nasa.

Três eventos celestes devem acontecer nesta sexta-feira (20). Além do equinócio, quando o Sol cruza o plano do equador e a noite e o dia têm exatamente a mesma duração, a sexta terá um raro eclipse total do Sol, único do ano, e uma superlua. O equinócio marca o início do outono no hemisfério Sul do planeta e a primavera no hemisfério no Norte, com início oficialmente às 19h45. O eclipse total do sol, por outro lado, só poderá ser visto em regiões remotas do hemisfério Norte e do oceano Ártico - um eclipse parcial poderá ser visto da Europa e de áreas do norte da África e da Ásia. A superlua poderá ser vista em diferentes regiões do planeta, mas não será tão impactante, já que a data coincide com o início da lua nova. O fenômeno, mais fácil de ser observado quando há lua cheia, deve acontecer novamente em 29 de agosto. Para quem vive no hemisfério Norte e quiser tentar observar o Sol sumindo por trás da lua, o eclipse começa às 7h41 GMT (Greenwich, Inglaterra), atinge seu pico às 9h45 GMT e termina por volta das 11h50GMT, de acordo com informações do Uol. Nas Ilhas Faroé, entre a Islândia e a Noruega, o evento terá maior duração, com cobertura total do Sol pela Lua de 2 minutos e 4 segundos.

Adustina:foto/Jailson Rodrigues, 18:50 h,07/03/2015.
Adustina:foto/Jailson Rodrigues, 18:50 h,07/03/2015.
Adustina:foto/Jailson Rodrigues, 18:50 h,07/03/2015.

Eclipse solar parcial foi registrado no Estado da Virgínia (EUA), em outubro de 2014

Algumas superstições sobre os eclipses, por exemplo: que o mundo vai acabar
Entre as 9h04 e 11h16 desta sexta-feira (20) na Espanha, poderemos observar no país um eclipse parcial do Sol. Tal como explica o Observatório Astronômico Nacional, o momento máximo terá lugar às 10h08, quando a Lua cobrirá 72% da estrela. Vale a pena aproveitar a oportunidade: o próximo eclipse solar parcial visível na Espanha acontecerá em 21 de agosto de 2017, mas em más condições porque coincidirá com o pôr-do-sol. O próximo eclipse solar total visível da Espanha só ocorrerá em 12 de agosto de 2026, e depois, em 2 de agosto de 2027.

Não afeta as grávidas

Os temores infundados sobre os efeitos dos eclipses são mais numerosos no caso dos lunares, mas os solares também têm os seus. Sobretudo no caso das mulheres grávidas. No México, inclusive, se associavam os eclipses ao lábio leporino, como sendo uma mordida no Sol ou na Lua, e as mulheres deviam proteger o ventre com um avental ou roupa vermelha. O diretor do Observatório Griffith, E. C. Krupp, explicou à "National Geographic" que esse mito de que um eclipse pode afetar as gestações é um dos mais persistentes, e que a cada eclipse recebe dezenas de ligações. Mas não há por que se preocupar: nunca se documentou qualquer prova de que os eclipses tenham algum efeito nas pessoas, grávidas ou não.

Tampouco causará indigestão

Uma tradição indiana recomenda não comer durante um eclipse, sob o risco de sofrer indigestão. Trata-se de um costume ancorado na religião hindu: o demônio Raju tentou conseguir a imortalidade com enganos, mas foi denunciado, e por isso vem tentando devorar o Sol ou a Lua de vez em quando. Também se tenta raciocinar que os germes proliferam mais quando não há luz, e por isso é preciso jogar fora a comida preparada antes do eclipse. Não há base para essas crenças. Na sexta-feira, das 9h às 11 horas, poderemos acompanhar o eclipse com um bom desjejum, por exemplo.

Mas cuidado com os olhos

Dizíamos que os eclipses não têm qualquer consequência, mas há uma exceção óbvia: nossa vista. Não podemos olhar diretamente para o Sol. Há necessidade de óculos de eclipse e filtros ou projeções para os telescópios e prismáticos.

Talvez afete os alemães

O eclipse poderia ter consequências na Alemanha, já que é o país na Europa que mais utiliza a energia solar. Essa fonte representa 7% do abastecimento do país, segundo a revista "Mother Jones", que acrescenta que as empresas elétricas alemãs "estão há meses se preparando para o que é essencialmente um teste sem precedentes da rede". A Espanha também preparou suas redes elétricas para esta sexta-feira. Em 2014, a energia solar representava aproximadamente 3% do abastecimento.

Para os animais

Há debate a respeito, já que é difícil fazer uma observação adequada, mas parece que os animais notam os eclipses solares e reagem a eles. Um estudo realizado no Zimbábue observou que muitos, como os hipopótamos, confundem o eclipse com o pôr-do-sol e se retiram para dormir. Os leões, elefantes e crocodilos não mostraram atitudes diferentes. Outros animais, como as abelhas e os esquilos, atuam com mais nervosismo, em vez de responder ao padrão habitual de confundir o eclipse com o anoitecer e se retirar. E em outro estudo se viu que chimpanzés em cativeiro simplesmente se limitaram a observar o fenômeno.

O mundo não vai acabar

11 de agosto de 1999. Eclipse total do Sol. O estilista de moda Paco Rabanne prevê que a estação espacial Mir despencará sobre Paris por culpa do acontecimento e decide deixar a cidade. Caso alguém tenha lembranças muito imprecisas dessa época, esclarecemos que isso não ocorreu.

As profecias sobre o apocalipse e os eclipses não são novas, e para esta sexta-feira já há algumas circulando. Por exemplo, o jornal "The Independent" publicou os temores do cofundador do site Root Source, Bob O'Dell, segundo o qual o eclipse representa uma mensagem de advertência, sobretudo para os europeus. O fenômeno ganha importância para os agourentos, já que estamos em plena tétrada de luas vermelhas, que são quatro eclipses lunares separados por seis luas cheias. Este fenômeno foi associado ao fim do mundo, apesar de não ser a primeira vez que ocorre (exceto entre 1600 e 1900).

O truque de Colombo, Mark Twain e Tintim

Os eclipses costumam ser vistos como acontecimentos negativos ou que antecipam desastres, mas é mais acertado descartar essas superstições, sobretudo se lembrarmos do que aconteceu com os índios arahuacos, da Jamaica. Tal como narra Joe Rao em "Space", em 1503, esses índios receberam as duas caravelas de Colombo, que passava por dificuldades em sua quarta viagem à América.

Depois de seis meses, metade da tripulação de Colombo se amotinou, roubou e assassinou alguns arahuacos, que estavam cansados de oferecer comida em troca de quinquilharias. Para conseguir voltar ao que Colombo considerava "comércio justo", ele ameaçou o líder dos nativos de apagar a Lua se não fosse restabelecido o fluxo adequado de víveres. Coisa que ocorreu: naquela noite houve um eclipse, como Colombo sabia por dispor de um almanaque com tabelas astronômicas.

Mark Twain recuperou esse truque de forma mais amável em "Um ianque na corte do rei Arthur", com um eclipse solar, tal como faria também o personagem Tintim em "O Templo do Sol".
Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

0 comentários:

Postar um comentário