quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Saúde:Repelentes para gestantes devem ser distribuídos só a partir de dezembro

Saúde

Repelentes para gestantes devem ser distribuídos só a partir de dezembro

Com a chegada do verão e as altas temperaturas, esses números podem vir a ter uma crescente

por
Yuri Abreu
Publicada em 19/10/2016 07:55:50
Em janeiro deste ano, o Ministério da Saúde  anunciou a distribuição de um repelente voltado para as gestantes cadastradas no programa Bolsa Família, com o objetivo de protegê-las do mosquito Aedes Aegypit, transmissor da dengue, chikungunya e zika. O último, inclusive, é apontado como principal responsável pelos casos de microcefalia registrados no Brasil desde o fim de 2015.
Contudo, nove meses após o anúncio, o produto nem chegou a ser distribuído nos postos de saúde pelo país.  De acordo com a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), apenas este ano, foram registrados 55.128 casos suspeitos de zika, sendo que a cidade de Itabuna, no sul do estado, é a que possui o maior número, com pouco mais de 16.700 casos. Na capital baiana, segundo a  Secretaria de Saúde municipal (SMS), foram registrados 644 casos suspeitos de zika em 2016.
Com a chegada do verão e as altas temperaturas, esses números podem vir a ter uma crescente, o que traz preocupação à população. Ainda agora na primavera, com o tempo variando entre chuva e sol, o alerta começa a ser ligado. Tanto para as gestantes quanto para as mulheres que foram mães recentemente, o acesso gratuito ao repelente poderia trazer um pouco mais de conforto para elas.
“Seria muito mais viável, já que muita gente não em condições de comprar os repelentes existentes no mercado. Certamente seria uma preocupação a menos”, disse a atendente de recepção Giliane Silva, mãe de uma menina de três meses. “O custo é muito alto atualmente. A gente espera que, com o acesso gratuito, possamos nos preocupar com outras coisas”, contou a administradora Maria Silva, grávida de cinco meses.
Segundo o atual Ministro da Saúde , Ricardo Barros, os repelentes devem começar a ser distribuídos a partir do mês de dezembro deste ano, para grávidas que estejam cadastradas no programa Bolsa Família. “Estão em consulta pública neste momento”, pontuou. De acordo com o Ministério da Saúde, o país teve confirmado 2.033 casos de microcefalia, sendo 319 aqui na Bahia, desde o início das investigações, há um ano.
Em Belo Horizonte/MG para anunciar a liberação de verbas para a saúde, Barros explicou os motivos que levaram ao atraso na distribuição. Entre eles, a falta de fornecedores com capacidade de atender a demanda.

0 comentários:

Postar um comentário