quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Entre busca por Senado e falta de opções, candidatura de Nilo a ‘hexa’ é provável

Quinta, 24 de Novembro de 2016 - 00:00

Entre busca por Senado e falta de opções, candidatura de Nilo a ‘hexa’ é provável

por Rebeca Menezes
Entre busca por Senado e falta de opções, candidatura de Nilo a ‘hexa’ é provável
Foto: Tiago Melo / Bahia Notícias
Presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) há dez anos, Marcelo Nilo (PSL) tem se reforçado cada vez mais como provável candidato ao “hexa” em 2017. Apesar de ainda não confirmar oficialmente sua decisão de seguir à frente da Casa, o deputado estadual admite que o cargo é fundamental para seus planos de pleitear uma vaga ao Senado em 2018, ao lado de pelo menos “quatro ou cinco” integrantes da base (entenda aqui). Nos bastidores da Assembleia – ou nem tanto –, o clima de campanha já é sentido entre os parlamentares. Isso inclui os candidatos já confirmados, como Pastor Sargento Isidório (PDT) e Luiz Augusto (PP), os possíveis, como Marcell Moraes (PV), e o próprio Nilo. Em uma prática incomum ao chefe da Casa, o presidente aproveitou a sessão desta quarta-feira (23) – cheia, graças a uma votação de projetos do Executivo – para circular no plenário e cumprimentar seus pares, em conversas cheias de sorrisos. O dia incluiu também uma prática comum a Nilo, mesmo fora do período pré-eleitoral: conversas individuais na “sala do cafezinho” e na antessala do plenário. O trabalho ainda discreto já tem rendido frutos. Fontes ligadas ao presidente garantem que ele já tem o apoio de ao menos 38 deputados, sem contar os da oposição. Além disso, não haveria ameaças do suposto processo que corre no Supremo Tribunal Federal (STF) para avaliar a inconstitucionalidade da reeleição de presidentes nas Assembleias Legislativas (leia mais aqui). Interlocutores afirmam que tanto a Procuradoria-Geral da República quanto a Advocacia-Geral da União já deram pareceres de que o caso é interna corpus – ou seja, deve ser resolvido pelos próprios deputados –, e que o processo já estaria arquivado há algum tempo. Enquanto isso, Nilo mantém o discurso da boa vizinhança, dizendo que apoiará aquele que conseguir reunir ao menos 32 assinaturas de apoio, mostrando ter ao menos uma relação próxima com metade da Casa. Entre os planos em busca do Senado e a falta de opções que reúnam conhecimento do regimento e trânsito com governo e oposição, pode-se assumir que o anúncio da candidatura de Nilo será feito em breve.

0 comentários:

Postar um comentário