sábado, 17 de fevereiro de 2018

caso de o prefeito ACM Neto (DEM) desistir de disputar a sucessão estadual

O prefeito de Feira de Santana é apontado como o nome mais provável para assumir a candidatura das oposições ao governo no caso de o prefeito ACM Neto (DEM) desistir de disputar a sucessão estadual

Tribuna da Bahia, Salvador
17/02/2018 08:31 | Atualizado há 2 horas e 21 minutos
Foto: Carlos Augusto

Nome 
O prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo (DEM), é apontado como o nome mais provável para assumir a candidatura das oposições ao governo no caso de o prefeito ACM Neto (DEM) desistir de disputar a sucessão estadual. Na verdade, Ronaldo quer ser candidato ao Senado na chapa de ACM Neto, embora o prefeito e seu grupo prefiram o democrata como candidato a vice, onde poderia carrear seus votos, que dizem não serem poucos na região, para a candidatura a governador. Políticos de Feira asseguram, no entanto, que a disposição de Ronaldo de participar das eleições de outubro é plena. Se for indicado candidato a governador, então, "ele sai correndo", afirma um aliado do prefeito de Feira.
Revolta
Acabou a lua de mel entre a Rede Globo e o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB). O noticiário desfavorável a ele na emissora, iniciado desde que se ausentou do Carnaval para um tour pela Europa, foi ampliada ontem, com a divulgação do caos na cidade em decorrência das chuvas e da revolta da população, via redes sociais, contra o comportamento do gestor.
Discreto
Políticos de lado a lado elogiam a discrição do vice-prefeito Bruno Reis (MDB) com relação ao debate sobre a possibilidade de o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), vir a assumir a candidatura ao governo, o que lhe colocaria na posição de sucessor imediato. Alegam que Bruno tem se movimentado pouquíssimo, pelo menos em público, em qualquer direção.
Sem limites
O PT anda tão desesperado para transformar o país num caos que um simples decreto de intervenção militar no Rio de Janeiro, um Estado que perdeu completamente as rédeas da segurança pública desde o império de Sérgio Cabral, está sendo transformado numa espécie de golpe. A que ponto o partido do ex-presidente Lula chegou é algo de admirar.
Repercussão zero
Pesquisa recente encomendada por empresário ligado ao PT indica que não deu em absolutamente nada a estratégia do MDB da Bahia de fazer propaganda dizendo que hoje é uma nova legenda, muito distante do ex-ministro Geddel Vieira Lima. Na ocasião, chegaram a dar um sumiço "providencial" no deputado federal Lúcio Vieira Lima, irmão do ex-ministro.
Confusão
A repetição do noticiário sobre uma eventual defecção do PP da base do governador Rui Costa (PT) tem produzido instabilidade no seio do próprio partido. Prefeitos da legenda dizem que estão confusos com o que está acontecendo na cúpula, sobre a qual se diz uma hora que está firme com o governo e em outra, que pode migrar para a campanha do prefeito ACM Neto (DEM).

Leia a Coluna completa na edição impressa do jornal ou na Tribuna Virtual (clicando na capa do jornal que está na home do site).
Compartilhe       

0 comentários:

Postar um comentário